Os 10 telemóveis com melhor relação custo-benefício de 2022: Comparação e guia

melhor-relacao-qualidade-preco

Escolher um telemóvel com uma boa relação qualidade/preço não é tão simples como pode parecer.

Há muitas variáveis a ter em conta. Está à procura de um telefone grande para poder ler nele? Ou talvez valorize mais não ter de o carregar todos os dias? Talvez o utilize para tirar fotografias e precise de uma câmara fotográfica de qualidade? Ou é um viajante frequente e um SIM duplo tornaria a sua vida mais fácil?

No osmelohores10.com analisámos dezenas de telemóveis para lhe oferecer uma recomendação personalizada de acordo com as suas necessidades. Além disso, classificámos os telefones do momento de acordo com o valor que oferecem pelo preço que tem de pagar.

Para fazer a classificação, baseámo-la nos quatro factores que deve ter em conta antes de escolher o seu dispositivo:

  • Tamanho: o tamanho é importante, especialmente dependendo de como se vai utilizar o telemóvel. No entanto, maior não tem de significar mais desconforto e peso.
  • Câmara: a câmara tornou-se uma ferramenta essencial de qualquer smartphone, e já é possível encontrar excelentes lentes a preços muito razoáveis.
  • Ecrã: o ecrã é o centro de atenção do móvel, e é importante certificar-se de que tem a resolução, brilho e velocidade de resposta necessários.
  • Sistema operacional: muitos fabricantes de telefones Android adicionam uma camada adicional de personalização, com resultados muito diferentes.

Sem mais delongas, vejamos a classificação dos telemóveis com a melhor relação qualidade/preço de 2022, de acordo com a opinião dos nossos peritos.

Os 10 telemóveis com melhor relação custo-benefício de 2022

Navegue no nosso top 10 para descobrir qual é o telemóvel com a melhor relação custo-benefício deste ano 2022. Actualizamo-lo todos os meses para o manter actualizado com todas as últimas notícias do mercado!

10. Motorola Moto G6

10. Motorola Moto G6Ver em Amazon

Não podíamos perder no nosso top 10 dos telemóveis com melhor relação qualidade/preço um modelo Moto G, a série clássica Motorola que está no mercado dos smartphones há muitos anos e que é actualizada todos os anos para continuar a oferecer um bom desempenho a um preço muito apertado, tal como o novo Moto G6, que está a ter uma recepção tão boa como o seu antecessor, o G5.
A grande mudança nesta nova geração tem sido o design, com um revestimento de vidro que lhe confere um aspecto muito elegante e sofisticado, deixando para trás aqueles designs clássicos e sólidos que transmitiam uma sensação de um telefone bastante barato.

Oferece uma sensação sólida com linhas curvas e é bastante resistente a riscos, embora o vidro também tenha algumas desvantagens, tem menos resistência a quedas e as impressões digitais são facilmente marcadas, pelo que é mais difícil manter um aspecto limpo.

As suas dimensões são 153,8 x 72,3 x 8,3mm e pesa 167 gramas.

O seu desenho frontal foi compactado reduzindo os quadros e permitindo ter um ecrã FullHD+ (2.160×1.080) de 5,7 polegadas maior sem aumentar as suas dimensões. Um fantástico ecrã IPS com uma densidade de 424 pixels por polegada e ao qual apenas se poderia pedir um pouco mais de brilho.

Também mantiveram o leitor de impressões digitais frontal com uma forma rectangular, diferente da que outras marcas estão habituadas, mas igualmente eficaz.

Quanto ao seu interior, vamos concentrar-nos especificamente na versão com 3Gb de RAM e 32Gb de memória (expansível com microSD até 128Gb) porque acreditamos que é a mais equilibrada, com um preço inferior a 200 euros.

Utiliza o processador Snapdragon 450, que está abaixo da sua concorrência mas tem um desempenho perfeito, a experiência de navegação é rápida e fluida porque o sistema do dispositivo está muito bem optimizado. O único contexto em que não recomendamos este Motorola G6 é para jogos com uma grande procura em gráficos.

Quanto à sua autonomia, a sua bateria aumenta para 3000mAh e permite chegar ao fim do dia sem problemas com a utilização intensiva do telemóvel e até mesmo até um dia e meio com uma utilização mais medida.

Tem também uma tecnologia de carregamento rápido chamada TurboPower que lhe permite atingir 100% de bateria em 1:45h.

Outra característica bem-vinda no G6 é a utilização de câmara dupla, algo que se está a tornar comum na gama média. A câmara traseira tem um sensor principal de 12Mp com uma abertura f/1.8 bastante brilhante e é acompanhada por um sensor secundário de 5Mp para uma boa desfocagem no modo retrato.

Por outro lado, a câmara frontal tem 8Mp e uma lente grande angular com uma abertura f/2.2. Este equipamento fotográfico é acompanhado do habitual modo HDR, modo manual, modo beleza e filtros com máscaras no mesmo estilo Snapchat. Também pode gravar vídeo em Full HD e slow motion x2.

Em suma, pode-se dizer que é uma boa máquina fotográfica para a gama média e destaca-se no facto de o processamento do HDR, retrato ou efeito de beleza alcançar um resultado bastante natural, menos marcado ou exagerado do que em outras marcas. A única desvantagem é que as suas câmaras traseiras sobressaem mais do que o habitual.

Todas estas características funcionam em harmonia sob o sistema operativo Android Oreo, com quase nenhuma personalização por parte da Motorola, como é habitual para assegurar uma operação simples e prática. Inclui também o reconhecimento facial.

Na secção de áudio a marca Motorola não se destaca normalmente e este telemóvel não é excepção, embora a existência da porta tradicional de minijack para ligar auscultadores seja apreciada, uma vez que alguns telemóveis modernos estão a perdê-la.

Finalmente, entre as suas características encontramos também a dupla ranhura SIM, conectividade NFC para pagamentos móveis, rádio FM e USB-C. Em suma, um telemóvel que obtém uma média notável por ter melhorado substancialmente o design em relação aos seus predecessores.

O irmão mais velho do Motorola G6, o G7, é muito semelhante esteticamente à versão anterior.

Mantém o vidro de volta, para o melhor ou para o pior, embora haja uma melhoria no ecrã. É de 6,2″ com luneta reduzida graças a um entalhe. Ou seja, aperta o ecrã ao máximo, e deixa uma ranhura no centro superior para a câmara e para o altifalante.

O ecrã respondeu bem em nitidez e brilho, e o som está correcto, com um volume bastante elevado para aquilo a que estamos habituados neste tipo de telefones.

Também notámos a melhoria no processador: Snapdragon 632 em comparação com a versão de 450 do G6. Isto significa que, embora o G6 não tenha um mau desempenho, o desempenho do G7 é muito mais suave, graças também ao facto de o software da Motorola ser muito limpo e ter poucas funções que se intrometem no caminho.

Caso contrário, a mesma bateria, com carga rápida, e a câmara traseira dupla é semelhante à anterior. Em vez disso, a frente tem 12 Mp, em comparação com os 8 do G6. Inclui também um leitor de impressões digitais e um reconhecimento facial bastante básico.

PROS
  • Preço muito razoável.
  • É bastante silencioso (50 dB).
  • Desempenho geral muito suave.
  • Tomada de áudio de 3,5mm.
  • Tem duplo SIM.
CONTRAS
  • Processador subaproveitado para jogos.
  • A câmara fotográfica traseira fica mais para fora do que o habitual.
Ver em Amazon

9. BQ Aquaris X2

9. BQ Aquaris X2Ver em Amazon

O novo BQ Aquaris X2 caracteriza-se por ser um smartphone que visa emular vários dispositivos de alta gama a um preço muito mais acessível, começando pelo seu ecrã, que finalmente ocupa toda a parte frontal do dispositivo.
É um painel LCD de 5,65 polegadas com a relação de aspecto padrão 18:9 e resolução FHD+ de 2.160 x 1.080 pixels, produzindo assim uma densidade de píxeis de 428 pixels por polegada.

É um ecrã afiado e brilhante, embora as suas 650 lêndeas de brilho não atinjam os números de outros modelos topo de gama e não sejam tão visíveis em condições de luz ambiente elevada.

Em termos de design e medidas, estamos perante um móvel de alumínio 150,7 x 72,3 x 8,3 mm e 163 gramas de peso que mantém a estética habitual, funcional e clássica, BQ com um toque premium graças ao seu ecrã infinito e um verso metálico onde aparece o leitor de impressões digitais.

Incorpora um processador Snapdragon 636 de 8 núcleos a 1,8 GHz. O Aquaris X2 é comercializado em dois modelos que diferem tanto na sua RAM como na sua capacidade de armazenamento, ambos expansíveis até 256 GB através de cartão micro SD:

Uma versão com 3 GB de RAM e 32 GB de armazenamento.
Outra versão com 4 GB de RAM e 64 GB de armazenamento.

As câmaras são outra das grandes características deste telefone, sendo a traseira um sensor duplo de 12 e 8 Megapixels e f/1.8 de abertura, o que lhe permite tirar fotografias com o modo retrato.

Gostámos bastante dos resultados fotográficos, com intensa reprodução de cores, boa nitidez e desempenho satisfatório em condições de fraca luminosidade.

No caso da câmara frontal, estamos a olhar para uma única lente de 8 Megapixels com abertura f/2.0, mas também oferece um modo de retrato de software. Mais um ponto para BQ.

A autonomia do BQ Aquaris X2 é determinada por uma bateria de 3.100 mAh, o que lhe dá até um dia e meio de uso constante, um número mais do que respeitável.

Não inclui carregamento sem fios, mas felizmente tem uma carga rápida capaz de recarregar o telefone até 50% em apenas 30 minutos.

O Aquaris X2 vem com o sistema operativo Android One, uma versão inalterada do sistema operativo do Google (neste caso a versão 8.1 Oreo) que requer menos ajustes na actualização, uma vez que a personalização é muito menor, o que também permite que novas versões cheguem mais rapidamente.

Em termos de conectividade, tem Bluetooth 5.0, uma porta USB tipo C, ranhura dupla nanoSIM e mantém a tomada para auscultadores de 3,5mm (boas notícias). Os altifalantes estéreo são outra grande notícia, pois soam poderosos e claros, mesmo em grandes volumes. Em suma: um telefone que, apesar de não ser o mais elegante ou poderoso do mundo, pode competir contra muitos dos seus rivais que custam o dobro do preço.

PROS
  • Ambas as câmaras dão muito bons resultados.
  • O Android One está integrado, que é o mais puro Android que se pode usar.
  • O ecrã é nítido e brilhante.
CONTRAS
  • O processador é mais do que adequado, mas dentro de alguns anos poderá sofrer com os jogos mais exigentes.
  • O sensor de impressões digitais poderia ser mais rápido.
  • O brilho automático por vezes demora um pouco mais do que o esperado para se ajustar.
Ver em Amazon

8. Sony Xperia 10

8. Sony Xperia 10Ver em Amazon

O Sony Xperia 10 é, juntamente com o 10 Plus, a actualização há muito esperada da gama média da marca, que foi apresentada em grande estilo no Mobile World Congress 2022.
O novo modelo subiu de preço e, à excepção de ofertas ocasionais, salta a barreira psicológica de 300 euros. Será que compensa? Se o que lhe interessa é o ecrã para ver filmes e jogar jogos, a resposta é sim. Por outro lado, se o conteúdo multimédia não for a sua prioridade, por esse preço poderá encontrar melhores opções nesta lista.

Passemos então ao prato principal: o ecrã.

Utiliza The Ultimate Wide design, que evita o entalhe e estica o ecrã até às 21:9, o formato habitual no cinema. É um ecrã de 6″ que realmente tira o máximo partido dele, com Full HD+ e um resultado final impressionante… se usar o formato certo.

Tenha em mente que o 21:9 está a tornar-se cada vez mais comum, mas coexiste com outros tamanhos. Ainda há muito conteúdo de streaming em 16:9, e se for o caso verá com barras pretas nos lados.

Dito isto, se o formato estiver correcto, a experiência do utilizador é quase imbatível.

Na mão, destacam-se as formas rectangulares da série Xperia e a qualidade do vidro, sensível ao toque e muito resistente. As suas dimensões são 156 x 68 x 8,4mm. É bastante alto, e se tiver mãos pequenas pode achar que é um pouco desconfortável. Para ajudar com isto, incluíram sensores laterais para que possa operar as aplicações mais comuns a partir de um menu ao lado. É invulgar para um telefone com este preço, e se nunca o usou antes pode parecer estranho no início. Mas uma vez habituado, poderá utilizá-lo sem qualquer problema.

No mesmo espírito, inclui um leitor de impressões digitais do lado direito. É muito conveniente se for destro porque pode operar tudo com o seu polegar, mas os utilizadores esquerdinos não o acharão tão fácil.

Deixámos a secção da câmara para último porque este modelo melhorou bastante em relação ao modelo anterior, o Xperia XA2. Tem duas câmaras traseiras, uma com 13 Mp e abertura F2.0 e a outra com 5 Mp e F2.4. Esta combinação permite, por exemplo, tirar fotos em 21:9 para tirar o máximo partido do ecrã, ou obter o efeito Bokeh, que esbate o fundo da foto e fica óptimo em retratos.

No entanto, aspectos como as fotografias com pouca luz ou a velocidade do obturador ainda têm muito espaço para melhorias. Portanto, se for muito rigoroso com a qualidade das suas fotografias, não é o telemóvel mais adequado para si. Quanto ao vídeo, pode gravar em 4K a 30fps com boa estabilização de imagem digital.

A bateria é talvez o que menos nos convenceu. Os seus 2,870 mAh de potência são apenas suficientes para o quanto o ecrã puxa. Dá a impressão de que se concentraram no peso, apenas 162 gramas. mas talvez mais algumas gramas teriam compensado em troca de uma bateria mais potente. Porque se usar muito o telefone, ele chega ao fim do dia com dificuldade. Se não vê vídeos, é claro que aumenta a duração da bateria, mas não faz muito sentido quando todo o telefone parece estar concentrado em proporcionar-lhe uma óptima experiência de visualização.

Nesse sentido, talvez queira considerar o Sony Xperia 10 Plus, que tem uma bateria ligeiramente mais potente de 3.000mAh.

O processador é o Snapdragon 630, que suporta suavemente o sistema operativo. Corre o Android 9 Pie com a própria personalização da Sony que achámos bastante agradável. Embora existam certas funções que estão duplicadas, tais como as que gerem áudio e fotografias (pode escolher entre a aplicação Google e a da Sony), o que o obriga a gastar espaço de armazenamento interno. É também verdade que a proposta da Sony para estes casos é muito boa, se gosta de personalizar o seu conteúdo e criar listas de reprodução ou álbuns de fotografias.

Outra das virtudes deste telemóvel é a qualidade de áudio: é ouvido com um som impecável e um volume bastante elevado. É, portanto, uma das melhores opções no nosso top 10 para ouvir música, mesmo utilizando auscultadores sem fios graças à sua tecnologia Bluetooth 5.0.

Também inclui rádio FM (importante se preferir rádio ao vivo a podcasts) e uma porta jack de 3,5mm para ligar auscultadores. É bom se for um utilizador de auscultadores com fios, ou quando ficar sem bateria nos seus auscultadores sem fios.

Tudo isto é completado com NFC para pagamentos móveis e porta USB-C. Em conclusão, é um terminal muito completo, embora o seu preço acima da média nesta gama de telemóveis não permita posicioná-lo entre os melhores em termos de custo-benefício.

PROS
  • A qualidade de imagem.
  • Som impecável, tanto por Bluetooth como por cabo.
  • Funcionamento a partir do menu lateral.
CONTRAS
  • A relação de aspecto 21:9 não está disponível para todo o conteúdo.
  • A bateria é um pouco apertada no uso pesado.
Ver em Amazon

7. Xiaomi Redmi S2

7. Xiaomi Redmi S2Ver em Amazon

A Xiaomi Redmi S2 é um dos últimos lançamentos da marca e embora exista uma versão de 64Gb/4Gb, o seu preço é semelhante ao da Xiaomi Redmi Nota 5 e é inferior noutros aspectos tais como bateria e ecrã, pelo que não compensa em valor monetário.
Portanto, o que vamos analisar aqui é a versão 32Gb/3Gb porque o seu preço cai bastante, tornando-o um telemóvel barato que oferece algumas características bastante interessantes.

O seu ecrã de 5,99 polegadas tem uma resolução HD+ de 1440x720p, o que lhe dá uma densidade de pixels de 269ppp, um número modesto mas adequado se não usar muito o telefone para ler. O contraste e a cor são bons, embora a luminosidade não seja intensa em plena luz do dia.

A Redmi S2 foi concebida em plástico, embora lhe tenha sido dado um aspecto de alumínio, e mostra um bom acabamento com um toque sólido. As câmaras traseiras sobressaem mas não é irritante porque não vacilam quando colocadas sobre uma mesa, por exemplo.

O seu processador Snapdragon 625 funciona bastante bem, embora seja um pouco lento nas aplicações ou funções mais exigentes, tais como o modo retrato.

Na secção da câmara é onde este móvel se destaca na gama média-baixa que se encontra. A câmara dupla traseira tem um sensor de 12Mp, com um tamanho bastante grande 1/2.9″, 1,25µm pixels e uma abertura da lente f/2.2, complementada por uma f/2.0 de 5Mp para belos retratos com o fundo fora de foco. Incorpora também o modo HTT para momentos com pouca luz, embora este não seja o seu ponto forte, baixa um pouco a qualidade à noite.

Por outro lado, a sua câmara frontal tem 16Mp com uma abertura f/2.0 que juntamente com o modo de retrato digital (sem lente extra), modo de beleza e flash obtêm bons resultados em selfies.

A bateria de 3080mAh suporta perfeitamente 1 dia inteiro ou mesmo um pouco mais, pois não tem um ecrã muito exigente em termos de consumo. Enquanto o tempo total de carregamento é de 2:15h.

Vem com o sistema operativo Android 8.1 Oreo mais a personalização MIUI 9.5 que melhora alguns aspectos da interface. As suas características técnicas são completadas com o slot MicroSD que aceita cartões até 128Gb, o prático leitor de impressões digitais traseiro, rádio FM, o duplo SIM e o conector de áudio de 3,5mm que lhe permite ligar auscultadores. As suas dimensões são 160,7 x 77,3 x 8,1mm e pesa 170 gramas.

Em suma, um smartphone muito económico para quem procura ter uma boa câmara no seu telefone sem gastar muito.

PROS
  • Preço.
  • Câmara frontal e modo retrato.
  • Tomada de áudio de 3,5mm.
  • Dual SIM.
CONTRAS
  • Resolução de ecrã baixa para o tamanho de ecrã grande (5.99″).
  • Sem USB-C.
  • Não é compatível com a Carga Rápida 2.0.
Ver em Amazon

6. Samsung Galaxy S9

6. Samsung Galaxy S9Ver em Amazon

Apesar da existência do Samsung S10, o S9 continua a ser uma das opções mais atractivas em termos de qualidade/preço da actualidade.
Em termos de design, estamos a olhar para uma pequena maravilha de metal e vidro. O seu desenho é futurista, com a tela curvada para as bordas (como os modelos Edge), com apenas 163 gramas de peso e um tamanho apertado de 147,7 x 68,7 x 8,5 mm. Possui também protecção IP68 contra água e poeira.

Talvez a única desvantagem seja que não é um telefone concebido para ser manuseado com um estojo de protecção. A forma «infinita» do ecrã é melhor apreciada com o telefone no ar, e para isso o vidro é super resistente. No entanto, a parte de trás fica suja quando se olha para ela e terá de limpar as suas impressões digitais a toda a hora. Para não mencionar que o telefone com uma mala vai estar sempre mais protegido contra choques… mas depois perde-se muito da diversão do desenho.

O ecrã de 5,8 polegadas do S9 é uma das razões pelas quais este telefone é uma das melhores opções que existe. Neste caso é o visor clássico (e impressionante) da Samsung: um painel Super AMOLED com uma resolução de 2.960 x 1.440 que consegue uma grande nitidez.

As cores são extraordinariamente vivas, enquanto que, como um bom painel OLED, exibe o preto mais escuro possível. Além disso, o brilho é notável, permitindo-lhe ver bem o ecrã mesmo com luz ambiente elevada.

Incorpora um processador Exynos 9810 de fabrico próprio, que seria equivalente ao poderoso Snapdragon 845 da Qualcomm. A isto acrescenta 4 GB de RAM e tem um hardware capaz de lidar com as aplicações e jogos de vídeo mais exigentes.

Como se tornou a norma em toda a gama Samsung Galaxy, a câmara deste telefone é também excelente. Na parte de trás tem uma lente de 12 Megapixel na qual -atenção- nos permite ajustar a abertura. F 1,5 para fotos com pouca luz e F2,4 para fotos mais brilhantes. O autofocus é muito rápido e achámos os diferentes modos de fotografia muito elaborados.

A câmara frontal consiste num sensor de 8 Megapixels com abertura f/1.7 que responde bem com pouca luz. E qualquer uma das duas câmaras permite obter um grande efeito bokeh, com um fundo desfocado que parece óptimo.

Aqui é tempo de falar sobre uma característica que lhe parecerá muito divertida no início… embora possa cansar-se dela rapidamente. Claramente inspirado no animoji da Apple (e procurando competir, claro), este S9 permite-lhe criar um avatar animado a partir de uma foto autocolante. Não é mau e é engraçado, embora talvez fosse necessária uma câmara frontal mais potente para capturar todas as características com mais detalhe.

Quanto à duração da bateria, a sua bateria de 3.000 mAh é suficiente para um dia de uso contínuo. Não é muito, mas é um problema comum à maioria dos telefones de gama média: a qualidade da bateria tem um impacto directo sobre o preço.

Incorpora carregamento rápido e sem fios, algo que hoje em dia é exigido da maioria dos smartphones topo de gama, e outra grande novidade é que mantém a tomada de auscultadores. Incorpora também uma porta USB-C para carregamento e ligação a outros dispositivos.

Com a última actualização do Android, estamos no sistema operativo 9 Pie. Adicione a camada de personalização leve da Samsung e descobrimos que é suave e rápido de navegar.

A única coisa que não nos convenceu foi o teclado padrão, porque a digitação preditiva deixa algo a desejar. Considerando que o nível geral do telefone é muito bom, seria bom se tratassem destes detalhes que podem tornar-se muito enrugados.

Inclui também Bixby, o assistente de voz equivalente ao Siri da Apple. O ponto fraco continua a ser os comandos de voz, ainda demasiado lentos e literais. Depois de o ter experimentado algumas vezes, voltará normalmente a procurar com o assistente do Google. Por outro lado, a pesquisa de imagem é muito razoável e o tradutor, mesmo com pequenas falhas, é um dos melhores que já vimos. Em qualquer caso, a usabilidade é relativa e não justifica ter o seu próprio botão no lado esquerdo do telefone.

Tem 64 GB de capacidade de armazenamento, expansível até 400 GB mais através de um cartão micro SD, e em termos de segurança, tem um sensor de impressões digitais debaixo da câmara traseira. É o sistema de segurança mais fiável, embora, se preferir, também tenha scanner de íris e reconhecimento facial que, embora não seja perfeito, é uma melhoria em relação à Galaxy S8 (era uma das suas fraquezas).

O preço do Samsung S9 é um pouco íngreme em comparação com outros aparelhos Android, mas de resto é um óptimo telefone se não quiser investir no custo extra do modelo mais recente.

PROS
  • Grande qualidade de imagem e som
  • Sensor de impressões digitais, scanner de íris e reconhecimento facial
  • Carregamento rápido sem fios
CONTRAS
  • O preço, algures entre a gama média e a gama alta
  • A digitação preditiva do teclado pode ser melhorada
Ver em Amazon

5. Huawei P20 Lite

5. Huawei P20 LiteVer em Amazon

Construído em metal e vidro, é realmente difícil diferenciar a versão Lite dos seus grandes irmãos, o P20 e o P20 Pro. Neste caso, temos um telefone que tem uma excelente aderência e é fácil de manusear com uma mão, e o grande ecrã que habita toda a frente dá-lhe um aspecto elegante e sofisticado.
Apesar da sua exibição infinita, pesa apenas 145 gramas, tornando-o um telefone surpreendentemente leve para os tempos de hoje. As suas medidas são também mais do que apertadas, a 148,6 x 71,2 x 7,4 mm.

Nesse espaço, consegue encaixar um ecrã LCD Full HD de 2.280 x 1.080 pixéis com uma relação de aspecto 19:9. Isto permite-lhe oferecer uma excelente relação ecrã/corpo (80,5%), embora seja verdade que algumas aplicações ainda não estão totalmente optimizadas para esta relação.

Incorpora um processador Kirin 659 de oito núcleos, que seria o equivalente a um Snapdragon 625, o processador de gama baixa dos poderosos processadores da Qualcomm. Vem complementado com 4 GB de RAM, o que lhe dá capacidade mais do que suficiente para as tarefas habituais que são realizadas com um telemóvel.

Na prática, é um processador eficiente que oferece uma experiência suave com o Android, mas sofre em condições exigentes como multitarefas ou quando se alterna rapidamente entre múltiplas aplicações. Teremos de ver como envelhece com o passar do tempo, uma vez que as aplicações e os jogos exigem cada vez mais energia dos processadores.

Incorpora o sistema operativo EMUI (Emotion UI), uma adaptação específica Huawei do Android. É um sistema que tem vários atalhos e gestos próprios, e requer uma pequena curva de aprendizagem, especialmente para os utilizadores que nunca o utilizaram antes. O lado positivo é que é um dos sistemas que permite o mais alto nível de personalização no mercado, algo que os utilizadores mais avançados irão certamente apreciar.

Em termos de segurança, tem um grande sensor de impressões digitais localizado na parte de trás, o que torna o desbloqueio do telefone uma tarefa rápida e fácil. Tem também a opção de desbloqueio do reconhecimento facial, e ficámos agradavelmente surpreendidos pela sua eficácia (embora logicamente não tenha a mesma velocidade e precisão que o FaceID em iPhones).

A máquina fotográfica do P20 Lite foi uma das características que mais suscitou expectativas durante o seu lançamento, uma vez que o seu irmão mais velho, o P20 Pro, tem uma das melhores do mercado.

No verso encontramos uma configuração dupla de 16 e 2 Megapixels (f/2.2), o que significa que o segundo sensor apenas fornece dados de profundidade para o modo retrato, e não fornece a funcionalidade do zoom óptico sem perda de detalhe.

É justo dizer que a experiência com a câmara traseira é muito positiva. Embora a detecção do bordo no modo retrato não seja perfeita, oferece cores muito naturais e alta saturação, o que é especialmente apreciado pelos fãs da publicação de fotografias apelativas em redes sociais. Também é digno de nota o seu desempenho em condições de fraca luminosidade. Por outro lado, a câmara frontal é também de 16Mp mas mais brilhante, com abertura f/2.0.

Em termos de vídeo, não estamos inteiramente convencidos. Não tem estabilização de imagem, e só lhe permite gravar em Full HD até 30 fps, uma configuração correcta mas não excepcional.

A autonomia do P20 Lite é uma das suas boas notícias. Graças à sua bateria de 3.000 mAh e ao seu eficiente modo de baixo consumo, atinge mais do que um dia e meio de utilização. Pode mesmo completar um segundo dia em muitas ocasiões. E, se ainda ficar sem bateria, o P20 Lite suporta carga rápida, podendo recarregar mais de 40% em apenas 30 minutos.

Há uma ligação USB-C na base, e um slot para dois cartões SIM ou um SIM e um cartão micro SD. Vale a pena notar também que mantém a tomada de auscultadores de 3,5mm na base, o que lhe poupará o adaptador. Tudo somado, se procura um telefone altamente personalizável, com boas câmaras, excelente duração da bateria, desbloqueio facial e um óptimo ecrã, esta é definitivamente uma óptima opção.

PROS
  • A câmara traseira permitir-lhe-á captar fotografias vibrantes e nítidas.
  • Excelente duração da bateria e carregamento rápido.
  • Extremamente leve.
CONTRAS
  • O processador corre o risco de ficar desactualizado dentro de alguns anos.
  • Algumas aplicações não estão optimizadas para um ecrã 19:9.
Ver em Amazon

4. Xiaomi Redmi Note 5

4. Xiaomi Redmi Note 5Ver em Amazon

A primeira coisa a esclarecer sobre este telefone é que esta versão da Redmi Note 5 é o equivalente à Redmi Note 5 Pro que foi inicialmente lançada noutros países, mas em Espanha não é comercializada com o nome «Pro».
Pode ser facilmente distinguido pela sua câmara traseira dupla e tem sido considerado durante muito tempo o melhor telefone de gama média do mercado (menos de 300 euros), um título agora disputado pelo novo Xiaomi Mi A2.

Vem equipado com um ecrã de 5,99 polegadas com uma resolução FullHD+ (2,160×1,080p), com uma densidade de píxeis muito boa de 403ppp. Isto traduz-se num ecrã bastante grande com boa nitidez, brilho e contraste, o que faz muito bom uso da frente do telefone à medida que os botões são integrados no mesmo.

O seu design pode sentir-se um pouco pesado devido ao tamanho da sua bateria, mas isto também lhe dá uma sensação sólida e agradável na pega. O uso de alumínio no seu invólucro dá-lhe um aspecto premium. A única desvantagem é que as câmaras traseiras se destacam um pouco mais do que o desejado. Pesa 182g e tem dimensões de 158,6 x 75,4 x 8,1mm.

Mas também são completados com um processador bastante potente, como é o Snapdragon 636, que atinge 40% mais desempenho do que o Snapdragon 625, que transporta outros modelos da marca como o Redmi 5 Plus e o Mi A1. Esta versão é completada com 4Gb de RAM e 64Gb de memória interna.

A sua câmara traseira dupla consiste numa câmara de 12Mp, f/1.8 principal, com um tamanho de sensor 1/2.6″ e 1.4µm pixels, acima da média para assegurar resultados aceitáveis em condições de pouca luz, bem como uma secundária de 5Mp e f/2.0, cuja função principal é captar a profundidade de campo para belos retratos com o fundo fora de foco.

Por outro lado, a câmara frontal é de 13Mp, com uma abertura f/2.0, flash e modo de beleza 4.0, o que garante uma boa qualidade de selagem. Também inclui o modo retrato mesmo sem uma câmara dupla, embora se sinta mais forçado, pois o borrão é completamente digital, sem a ajuda da lente extra. Tal como o resto do Xiaomi de gama média, tem os modos básicos de fotografia, filtros e HDR.

A gravação de vídeo é feita em resolução Full HD a 30fps, com a opção de câmara lenta em 720p a 120fps (x4). Além disso, a sua estabilização electrónica da imagem (EIS) dá muito bons resultados.

Outro dos seus pontos fortes é a bateria de 4000mAh, que assegura uma duração de bateria entre um dia e meio e dois, dependendo da utilização que é dada. Enquanto o seu tempo de carregamento é de apenas 2:30h.

Em referência ao resto das suas especificações, tem ranhura microSD até 128Gb, duplo SIM, rádio FM, sistema operativo Android 8.1 Oreo, personalização MIUI 9.5 muito eficiente, desbloqueio facial com a câmara frontal, leitor de impressões digitais e porta áudio jack de 3.5mm. Todas estas características fazem com que vença de longe a maioria dos seus rivais na gama média e oferecendo uma excelente relação custo-benefício.

PROS
  • Câmara dupla de boa qualidade.
  • Bateria de 4000mAh superior na gama média.
  • O processador Snapdragon 636 é um grande salto em relação ao 625.
  • Desenho de sensação premium.
  • Porta jack de áudio de 3,5mm.
  • Dual SIM.
CONTRAS
  • Sem porta USB-C.
  • Não tem NFC.
  • É compatível com o Quick Charge 2.0 mas não inclui este tipo de carregador.
Ver em Amazon

3. iPhone 8 Plus

3. iPhone 8 PlusVer em Amazon

Com o lançamento do iPhone XS e iPhone XR em 2017, a Apple reduziu o preço do iPhone 8 Plus. Logicamente, ainda não é um telefone barato, mas paga-se pela qualidade, especialmente se for um dos melhores iPhones.
Neste caso estamos perante um dispositivo que apresenta muitas semelhanças ao nível do design com o iPhone 7 Plus, mas acrescenta várias características adicionais que o tornam no melhor telefone que se pode comprar se preferir o tradicional botão de casa e o sensor de impressões digitais do iPhone.

Uma das maiores críticas dos utilizadores ao iPhone 8 Plus é que ele repete o mesmo padrão que o iPhone 6S e 7 Plus. Mas o verso, feito de alumínio em modelos anteriores, é agora feito de vidro. Isto dá-lhe um toque mais sofisticado e elegante, bem como uma maior aderência à mão, embora a sua razão de ser não seja estética porque, graças a ela, pode oferecer carga sem fios. Mede 158,4 x 78,1 x 7,5 mm, e pesa aproximadamente 202 gramas, pelo que não é um dispositivo particularmente leve.

Apresenta um ecrã LCD de 5,5 polegadas com uma resolução de 1.920 x 1.080 pixels, o que produz uma densidade de 401 pixels por polegada. Graças à tecnologia True Tone, que altera a temperatura da cor de acordo com o ambiente em que se encontra, reduz a clássica tonalidade azul dos ecrãs LCD em condições de pouca luz ambiente.

A reprodução de cor e temperatura de cor é excelente, e pode realmente ver a diferença em comparação com os modelos anteriores do iPhone. E embora não seja o ecrã mais nítido do mercado, o facto de estar tão perto do vidro faz com que as cores sejam fortes, brilhantes e com uma grande resposta táctil.

O 3D Touch está integrado, e embora não seja uma das características mais utilizadas pelos seus utilizadores, acrescenta funcionalidades adicionais ao ecrã inicial e à maioria das aplicações quando se coloca mais pressão sobre o ecrã.

No sentido Hardware, o iPhone 8 Plus incorpora um chip biónico A11 acompanhado por 3GB de RAM, capaz de proporcionar um desempenho que torna muitos chips Snapdragon topo de gama pálidos de inveja.

O A11 Bionic é um processador de seis núcleos com dois núcleos de alta potência e quatro núcleos de baixa potência, capaz de executar praticamente todas as tarefas com rapidez e suavidade, mesmo as mais exigentes. Também lhe permite utilizar efeitos de iluminação de retrato na câmara e manipular suavemente aplicações e jogos que fazem uso intensivo da Realidade Aumentada (RA).

Vem com o sistema operativo iOS11 fora da caixa, que pode ser actualizado para iOS12. Se já usou iPad ou iPhone antes, saberá como é intuitivo e fácil de usar.

O iPhone 8 Plus vem em duas versões, dependendo da capacidade de armazenamento interno: 64GB ou 256GB. Terá de fazer a escolha certa, porque os iPhones não lhe permitem expandir essa capacidade através do cartão micro SD, por isso, se é fã de tirar fotografias ou vídeos de qualquer coisa que se mova, é melhor optar pelo modelo de maior capacidade.

Os auscultadores são também melhorados e soam mais alto e claro do que nunca, fornecendo 25% mais decibéis em comparação com o iPhone 7 Plus.

A câmara do iPhone 8 Plus evolui em relação ao modelo anterior, embora na realidade não fosse essencial fazê-lo, uma vez que a Apple sempre foi conhecida por incorporar algumas das melhores câmaras disponíveis.

Neste caso, é uma câmara frontal de 7Mp e uma câmara traseira dupla de 12 Megapixel, ambas com excelente reprodução de textura e nível de detalhe nas secções mais brilhantes e mais escuras da fotografia.

A câmara traseira, um grande angular estabilizado opticamente com uma abertura f/1,8, tem uma lente secundária de 12 MPx f/2,8 telefoto que permite um zoom óptico x2 sem perder qualidade e também lhe dá a capacidade de tirar fotografias em modo retrato.

A autonomia do iPhone 8 Plus está correcta, com uma bateria de 2,691 mAh que certamente lhe chegará até ao dia seguinte, independentemente do uso que lhe for dado. Tem carregamento sem fios (embora terá de comprar o cabo e o carregador separadamente) e carregamento rápido, opções que são sempre bem-vindas.

Em suma, o melhor iPhone que se pode obter se ainda preferir o desbloqueio das impressões digitais e o preço dos novos iPhones parece ser uma aberração. Vai durar anos.

PROS
  • Excelente câmara dupla.
  • Ecrã Full HD vibrante e nítido.
  • Poderosos altifalantes duplos.
  • Potência do processador para uma maior duração da bateria.
CONTRAS
  • Desenho um pouco antiquado com arestas.
  • Peso elevado.
Ver em Amazon

2. Honor 9 Lite

Graças a modelos como o novo 9 Lite, Honor está a tornar-se um dos mais proeminentes fabricantes de telefones de gama média.
A elegante Honor 9 Lite destaca-se especialmente no seu ecrã, uma frente LCD IPS de 5,63 polegadas com resolução Full HD (1.920 x 1.080), que produz uma densidade de pixels de 428 pixels por polegada. Oferece uma ampla gama de cores e um ajuste muito bem equilibrado, e as suas 522 lêndeas de brilho máximo são suficientes para a maioria das condições de iluminação ambiente.

Os ângulos de visão são bons, e o touchpad responde rápida e precisamente ao toque, sem atraso ou necessidade de pressão excessiva. A sua relação de aspecto 18:9 também permite que mesmo mãos pequenas cheguem facilmente a todo o ecrã, botões e sensor de impressões digitais na parte de trás.

As medidas do Honor 9 Lite são 151,0 x 71,9 x 7,6 mm, e um peso muito apertado de 149 gramas que o torna especialmente leve quando segurado na mão. O dorso, com o sensor de impressões digitais localizado a dois terços da subida, está coberto de vidro, uma decisão que lhe confere um aspecto sofisticado e moderno, mas tem o lado negativo de o tornar bastante escorregadio e propenso a obter impressões digitais por todo o lado.

As suas arestas arredondadas também ajudam a reforçar esta imagem premium, bem acima de um dispositivo deste preço. O único pequeno altifalante que possui está localizado no lado inferior, o que facilita a cobertura quando se segura o telefone na horizontal com ambas as mãos.

Nas suas entranhas encontramos um processador de oito núcleos que incorpora 3GB de RAM. Isto permite-lhe um bom desempenho na maioria das tarefas quotidianas, sem tempos de carga prolongados ou atrasos. No entanto, sofre quando é exigido ao nível máximo de gráficos, como a manutenção da taxa FPS (frames por segundo) nos jogos de vídeo mais potentes, ou com multitarefas quando há demasiadas aplicações exigentes abertas ao mesmo tempo.

É justo dizer que se for um utilizador normal e fizer uso regular das redes sociais, e-mail e leitores de música, terá uma experiência mais do que adequada e não terá quaisquer problemas.

Em termos de fotografia, incorpora duas câmaras frontais e duas traseiras para fotografias em modo retrato. Os retratos frontais oferecem muito bons acabamentos para selagens, mas os feitos com as câmaras traseiras não são o seu ponto forte, uma vez que os resultados após o processamento não são muito naturais.

Em ambos os casos, a câmara principal é de 13 Megapixels enquanto a secundária é de 2 Mpx. Os resultados são muito bons em condições de luz natural ao ar livre, mas sofre na ausência de luz, perdendo o foco e aumentando o nível de grãos.

A sua autonomia, gerada por uma bateria de 3.000 mAh, é mais do que suficiente para um dia de utilização. No entanto, quando são colocadas mais exigências ao processador, como a utilização contínua da câmara ou o jogo de vídeo durante longos períodos, a sua resistência não é tão boa.

O verdadeiro inconveniente, na realidade, é a falta de carregamento rápido. O Honor 9 Lite leva 3 horas a carregar completamente, o que é demasiado longo quando é necessário dar ao seu telefone uma bateria extra. Felizmente, tem um modo de poupança que restringe o uso de algumas aplicações para aumentar significativamente a sua autonomia.

Como padrão, a Honor 9 Lite vem com o Android versão 8.0 sob a sua própria camada de personalização EMUI, que oferece configurações adicionais para modificar o tema e ícones de aplicação ao nosso gosto. E, apesar de ter um grande número de bloatware instalado, todas as aplicações podem ser desactivadas a partir das configurações à aplicações do telefone.

Tem 32GB de armazenamento interno expansível através de um cartão microSD até 256GB, pelo que a memória não será um problema. Quanto à conectividade, incorpora uma entrada microUSB, algo que não corresponde aos tempos em que a norma é uma ligação do tipo C. Felizmente, inclui um conector de entrada de 3,5mm para auscultadores. Também permite o SIM duplo.

Em suma, um telemóvel com um design marcante e elegante, um ecrã muito bom, e potência e autonomia suficientes para o utilizador médio a um dos preços mais atractivos do momento.

PROS
  • Excelente ecrã 18:9.
  • Desenho premium.
  • Preço muito acessível.
CONTRAS
  • O verso de vidro é escorregadio.
  • A câmara sofre em situações de fraca luminosidade.

1. Xiaomi Mi A2

1. Xiaomi Mi A2Ver em Amazon

Após o sucesso mundial de vendas do Xiaomi Mi A1, o seu sucessor, o Xiaomi Mi A2, foi aguardado com grande expectativa, lançado apenas um ano mais tarde. Este novo modelo é uma renovação do modelo anterior, que melhora muitas das suas características, e fá-lo com um preço apenas ligeiramente superior, cerca de 200 euros.
O seu ecrã é FullHD+ (2160x1080p) e mede 5,99 polegadas, o que oferece uma densidade de 403 pixels por polegada (ppi), uma configuração óptima para nitidez e consumo de energia.

O seu design é bastante conservador, com um bom acabamento em alumínio e arestas arredondadas que o tornam fácil de agarrar. No verso, para além das câmaras, está o leitor de impressões digitais. O seu tamanho é 158,7 x 75,4 x 7,3mm e pesa 168g.

Quanto ao seu hardware, vem equipado com um processador Snapdragon 660 da Qualcomm, uma RAM de 4Gb e uma memória interna de 64Gb, mais do que suficiente para obter um bom desempenho, embora o processador não seja um dos mais modernos. Também está disponível a versão com 6Gb de RAM e 128Gb de memória interna, embora o seu custo seja mais elevado e não a consideramos como uma boa relação custo-benefício.

Tem uma câmara dupla, principalmente para obter bonitas desfocagens no modo retrato. A câmara principal tem especificações muito boas: 12Mp, abertura f/1.7, distância focal de 22mm, sensor de 1/2.9″ e 1.25 μm pixels. Embora a câmara secundária não seja telefoto como acontece no Mi A1, tem o mesmo foco e difere porque tem 20Mp que podem ser agrupados em 4×1 com tecnologia de encadernação de pixels para melhorar as fotografias de baixa luminosidade.

E se isso não bastasse, tem uma câmara frontal de 20Mp, com abertura f/2.2, um modo de beleza 4.0 bastante satisfatório e a mesma tecnologia de encadernação de píxeis, pelo que as fotos autocolantes atingem um nível de qualidade superior com este telemóvel.

Tem também os modos básicos de fotografia, incluindo HDR, o novo modo HTT para condições de pouca luz e um modo manual para seleccionar com que câmara traseira gravar. Em vídeo é capaz de gravar em resolução 4K, fazer câmara lenta x4 em HD e tem estabilização electrónica que funciona bastante bem em Full HD.

A sua bateria 3010mAh, que se manteve quase igual à Mi A1, é um pouco modesta mas adequada para durar todo o dia, com um tempo de carregamento muito rápido de apenas 1:45h.

Toda a sua tecnologia gerida pelo sistema operativo Android One, sem qualquer personalização do MI. Sendo o Android puro é um sistema básico, estável e leve com uma pequena desvantagem, permite uma menor personalização em alguns aspectos. Excepto na aplicação da câmara, onde é mantida a interface do sistema MIUI, para oferecer uma melhor experiência ao utilizador.

A principal desvantagem deste dispositivo é que não tem uma tomada de áudio para ligar auscultadores, embora inclua o adaptador para a porta USB-C ou existe a opção de ligação Bluetooth. Ao contrário do modelo Xiaomi Mi A2 Lite, que tem uma porta jack de 3,5mm, o slot microSD, é mais pequeno graças à utilização do «notch», tem um ecrã semelhante de 5,84 polegadas e uma duração de bateria mais longa de 4000mAh com 2:20h de carga, embora, por outro lado, perca qualidade nas câmaras. Ah! e também tem rádio FM.

Em conclusão, pelas suas características fantásticas e pelo seu preço ajustado, podemos assegurar que é um dos telemóveis com melhor relação qualidade/preço que se pode comprar hoje.

PROS
  • Especificações bastante elevadas para uma gama média.
  • Câmara traseira dupla e câmara frontal de 20Mp de boa qualidade.
  • 4K e vídeo Full HD com boa estabilização de imagem electrónica.
  • Ecrã FullHD+ com uma densidade óptima de píxeis de 403 ppp.
  • Dual SIM disponível.
  • Preço.
CONTRAS
  • Não tem uma entrada para a tomada de auscultadores.
  • Não dispõe de NFC para pagamentos móveis.
  • Não tem uma ranhura para microSD.
Ver em Amazon

As nossas recomendações

O telemóvel de melhor preço-qualidade com menos de 200 euros: Xiaomi Mi A2

Como esperado, um smartphone do extenso catálogo da Xiaomi leva a honra de ser o melhor telemóvel em preço de qualidade inferior a 200 euros, o Xiaomi MI A2.
E é que a marca chinesa demonstra, ano após ano, que é capaz de fabricar produtos de muito boa qualidade a um custo bastante económico.

Um modelo de gama média, com um preço muito apertado e com algumas características que o colocam ao mesmo nível dos concorrentes de gama alta. As razões pelas quais acreditamos que é a melhor relação custo-benefício para o dinheiro móvel por menos de 200 euros são as seguintes:

  • O seu hardware e componentes são superiores aos modelos de gama média de outras marcas. Ninguém bate a combinação do seu poderoso processador Snapdragon 660, com uma RAM de 4Gb e uma grande memória interna de 64Gb por menos do que esse preço.
  • A sua câmara dupla é fantástica. Quem não gosta de tirar belos retratos com o fundo fora de foco como as câmaras SLR ou profissionais? Vai cansar-se de tirar fotografias dos seus amigos, do seu namorado/ namorada ou do seu animal de estimação. Existem outros telefones de gama média que também incluem uma segunda câmara traseira para o modo retrato, mas a diferença é que o de Xiaomi é mais avançado, com tecnologia de 20Mp e de encadeamento de píxeis. E sem esquecer a câmara frontal de mais 20Mp que não está muito atrás e obtém resultados muito satisfatórios em selos.
  • Xiaomi tornou-se um sinónimo de confiança e garantia, ganhou-o ao longo dos anos apesar de ser uma marca chinesa, de facto passaram a considerá-la a maçã asiática. O seu sucesso e popularidade também torna fácil encontrar os seus produtos em lojas e armazéns em Espanha para uma expedição rápida e com uma garantia europeia de 2 anos.

A única razão pela qual não recomendaríamos a sua compra é se não gostar de grandes smartphones. Tem um ecrã de 5,99 polegadas e embora a frente do telefone seja muito bem utilizada, atinge uma altura de 15,8 cm e uma largura de 7,5 cm, um tamanho a que nem todos estão habituados.

Os melhores telemóveis de gama média preço-qualidade: 200-300 euros.

Se estiver com um orçamento apertado e não estiver disposto a ir tudo por um dos mais recentes iPhone ou Samsung Galaxy, está com sorte.

Hoje em dia, não é preciso gastar muito dinheiro para obter a maioria das características dos telefones topo de gama, e muitos deles caem consideravelmente no preço apenas alguns anos após o seu lançamento. Entre todas as opções de gama média que não excedem os 300 euros, estas são as melhores de hoje:

TOP 1 Sony Xperia 10

O que mais nos impressiona no Sony Xperia 10 é o ecrã 21:9. A qualidade é imbatível nesta gama e se a utilizar em jogos, notar-se-á muito, porque o espaço extra é ganho para lidar com os controlos. Contudo, tenha em mente que nem todo o conteúdo de streaming está neste formato, e pode ser um pouco estridente se for muito exigente quando se trata de visualização. O mesmo se aplica aos jogos, a Sony diz que está a trabalhar para tornar todo o seu catálogo compatível, mas há muitos que ainda não o são em 21:9. No entanto, a tendência parece estar a ir nessa direcção e cada vez mais conteúdo estará disponível.

E se falamos de imagem, temos de falar de som, outro dos pontos fortes deste Sony. A qualidade de áudio é excelente, com muitas opções de equalização e um bom volume, o que lhe permite utilizá-lo mesmo em ambientes ruidosos. Claro que se pode usar Bluetooth, mas também é bom que inclua uma tomada para auscultadores com fio, algo que muitas marcas já estão a fazer desaparecer.

O processador Snapdragon 630 da Qualcomm, embora não seja um dos mais avançados neste segmento, cobre muito bem as necessidades deste smartphone. Nenhum atraso é perceptível durante a utilização, mesmo com jogos bastante exigentes. Este hardware é completado com 3Gb de RAM e mais 64Gb de armazenamento interno, o que não é mau de todo. Caso isso não seja suficiente, pode ser expandido usando um cartão microSD até 512Gb.

Caso contrário, tanto as câmaras – duas traseiras e uma frontal – como a bateria estão bem, embora um pouco mais de vida útil da bateria nesta última não seria uma coisa má. E, uma vez habituado a utilizar o menu e os controlos na lateral do telefone, a usabilidade com uma mão é muito confortável, especialmente tendo em conta que o telefone é bastante alto.

Em suma, uma marca de topo móvel como a Sony com características equilibradas e alguns extras muito bem pensados para conteúdos multimédia.

TOP 2 BQ Aquaris X2

Pode não ter o design mais glamoroso do mundo, mas o BQ Aquaris X2 compensa-o com excelentes características e uma grande máquina fotográfica para este segmento de mercado. E tudo por menos de 300 euros!

Em primeiro lugar, tem um ecrã LCD de 5,65 polegadas que cobre toda a frente, com uma resolução Full HD+ (2.160 x 1.080 pixels) que também se destaca pela sua luminosidade dentro dos modelos de gama média.

O processador não é descuidado, com um Snapdragon de 8 núcleos que é bastante eficiente na maioria das utilizações que podem ser dadas a um telemóvel, incluindo jogos exigentes. Como se tudo isso não fosse suficiente, o desempenho das suas câmaras duplas é mais do que adequado, mesmo em situações de fraca luminosidade.

A autonomia é outro dos seus pontos fortes, e embora seja verdade que é um ponto abaixo do topo da gama dos telefones em termos de design e velocidade, dificilmente se pode encontrar um melhor desempenho por este preço.

TOP 3 Moto G6

Se procura um telemóvel todo-o-terreno e fiável, com todas as opções presentes nos modelos mais caros das principais marcas e por cerca de 200 euros, o Moto G6 é para si.

Desta vez, a Motorola melhorou consideravelmente o design do seu G6 em comparação com os modelos anteriores, que já se destacava por oferecer uma das melhores relação custo-benefício do mercado.

Com linhas curvas e um revestimento de vidro, ostenta um grande ecrã (LCD, claro) que tem pouco a invejar dos grandes nomes do sector: resolução Full HD+ com 424 pixels por polegada. Não segue a tendência actual de ecrãs que cobrem toda a frente, mas que permite manter o sensor de impressões digitais de forma bastante discreta na frente.

Tem uma câmara traseira mais do que adequada que permite zoom óptico e modo retrato, bem como uma bateria de 3.000 mAh que é suficiente para mais do que um dia de uso moderado. Talvez o único ponto que poderia ser melhorado seja o seu processador, suficiente para a maioria das situações mas apressado para níveis elevados de procura. Mas é claro, então também não teria este preço.

Os 3 melhores telemóveis chineses de qualidade – preço

É um facto indiscutível que Xiaomi é o principal fabricante asiático do sector e que falar sobre os melhores telemóveis chineses de qualidade – preço é o mesmo que falar sobre os seus smartphones. No entanto, como já analisámos três delas no nosso top 10 (Mi A2, Redmi Nota 5, Redmi S2), vamos também dar uma oportunidade a outras marcas chinesas que têm opções muito interessantes com muito boa relação qualidade/preço no seu catálogo em 2022.

Para fazer este top 3 procurámos telemóveis com boas características e um preço muito apertado, sem se tornarem os mais baratos do mercado mas igualmente adequados para todos os bolsos. Tivemos também em conta que é fácil encontrá-los para comprar em Espanha, seja na Amazónia ou noutras lojas.

TOP 1 Huawei Mate 20 Lite

A marca Huawei é uma garantia de qualidade e é bem conhecida no mercado espanhol, pelo que ganhou um lugar merecido neste topo. O Huawei Mate 20 Lite é um telefone de gama média muito potente cujo preço é de cerca de 200 euros, algo que nos surpreendeu por tudo o que oferece.

Não confundir com a Huawei P20 Lite, sem a designação «Mate»: são modelos diferentes. Escolhemos esta por causa da relação qualidade/preço, uma vez que obter uma câmara como esta seria um gasto maior em qualquer outra marca.

Características principais: desenho em vidro, 6.3″ visor FullHD+ (409ppp), processador Kirin 710, 4GB de RAM, 64GB de memória interna, câmara dupla traseira 16Mp / 2Mp, câmara dupla frontal 24Mp / 2Mp, bateria de 3,750mAh, Android 8.1 actualizável, ranhura microSD, duplo SIM, leitor de impressões digitais, porta USB-C e tomada de áudio de 3,5mm.

Como podem ver, não se pode pedir muito mais a este Huawei Mate 20 Lite. Tem tudo, incluindo a câmara dupla tanto frontal como frontal, para fazer retratos com borrão e com resultados que nos convenceram o suficiente. O seu design parece muito elegante e parece robusto, o ecrã é excelente, a sua combinação de processador e RAM fazem-no funcionar rápido e fluido (embora um pouco apertado para jogos exigentes como o Asphalt 8: Airborne) e a bateria chega ao fim do dia sem problemas, muito melhor do que outros telefones mais caros.

A maior desvantagem que pensamos ser o Bluetooth 4.2 (5.0 seria melhor) e que não tem carregamento sem fios. Está bem, isso seria surpreendente a este preço, mas poderiam ter-se esticado uma vez que utilizam o vidro como material de base. Também não gostamos que venha com bastantes aplicações pré-instaladas que ocupam espaço e recursos. O bom é que os pode apagar, mas porque não poupar-nos o trabalho?

TOP 2 Honor 8X

Honor é uma subsidiária da Huawei, a marca económica para competir no segmento dos telefones de gama média, principalmente contra Xiaomi. E o seu sucesso é tal que na China já ultrapassou a própria Huawei em vendas, pelo que é uma marca que seguimos de muito perto para encontrar e analisar modelos com muito boa relação qualidade/preço, tais como o Honor 8X.

Embora o seu preço seja ligeiramente superior aos apresentados nestes 3 telemóveis chineses de topo, as suas especificações são invejáveis para a gama média em que se encontra.

Características principais: design em alumínio e vidro, 6.5″ ecrã FullHD+ (396ppp), processador Kirin 710, 4GB de RAM, 64GB de memória interna, câmara traseira dupla de 20Mp / 2Mp, câmara frontal de 16Mp, bateria de 3750mAh, suporte para carregamento rápido, Android 8.1, slot microSD, duplo SIM, leitor de impressões digitais e tomada de áudio de 3.5mm.

Destaca o enorme tamanho do seu ecrã, com quase nenhuma moldura no desenho frontal, e o seu bom processador Kirin 710, concorrência do Snapdragon 660, que juntamente com a sua 4Gb RAM, a sua memória interna de 64Gb e uma bateria de grande capacidade satisfaz as expectativas dos mais exigentes nesta gama média.

A sua câmara também vai um passo mais longe em comparação com os seus concorrentes, diferenciando-se em alguns detalhes como a utilização da tecnologia de revestimento de píxeis 4 em 1 e oferecendo super slow motion a 480fps (x20) em vídeo. Para além das restantes características que já se tornaram quase padrão como a câmara dupla com o seu modo de retrato e modo de beleza.

As suas principais desvantagens são que não tem NFC, porta USB-C ou rádio FM.

Vale a pena compará-lo com o seu antecessor a Honra 7X? Sim, sem dúvida, o seu preço é apenas ligeiramente mais elevado e as suas características são muito melhores.

TOP 3 Cubot X18 Plus

A Cubot é uma marca chinesa que começou por copiar outros fabricantes de telemóveis asiáticos como a HTC e começou agora a conquistar um nicho no mercado europeu, pelo que ainda não é bem conhecida.
No entanto, explorando em profundidade no seu catálogo de smartphones encontramos uma pequena jóia que merece um lugar neste topo da melhor qualidade móvel chinesa – preço: o Cubot X18 Plus.

Principais características: design em alumínio e policarbonato, 5.99″ ecrã FullHD+ (403ppp), processador MediaTek MT6750T, 4GB de RAM, 64GB de memória interna, câmara dupla traseira 16Mp / 2Mp, câmara frontal 8Mp, bateria 4000mAh, Android 8.0, slot microSD, duplo SIM, leitor de impressões digitais, rádio FM e tomada de áudio de 3.5mm.

Em suma, uma das melhores marcas móveis Cubot com preço de gama média e algumas características de topo de gama, tais como a câmara traseira dupla Samsung e um excelente desempenho para conteúdos multimédia e jogos com gráficos exigentes. Além disso, o seu design dá-lhe um aspecto premium, não se parece com um telemóvel chinês barato. Além disso, a sua generosa bateria é uma garantia para chegar ao fim do dia mesmo com uso intensivo.

Os seus pontos fracos são que não tem NFC para fazer pagamentos com o telemóvel, carregamento rápido ou porta USB-C.

Não há dúvida de que estes 3 telefones chineses são uma óptima alternativa económica, mas se ainda estiver à procura de algo mais barato, podemos recomendar outras marcas chinesas como ZTE e Doogee, que ainda não são bem conhecidas mas estão a fazer uma mossa no mercado espanhol, têm boas críticas e oferecem modelos por menos de 100 euros.

Comparação dos melhores telemóveis

Abaixo encontrará uma comparação prática com as características técnicas dos telemóveis analisados.

PROS
CONTRAS
10. Motorola Moto G610. Motorola Moto G6
Ver en Amazon
  • Preço muito razoável.
  • É bastante silencioso (50 dB).
  • Desempenho geral muito suave.
  • Tomada de áudio de 3,5mm.
  • Tem duplo SIM.
  • Processador subaproveitado para jogos.
  • A câmara fotográfica traseira fica mais para fora do que o habitual.
9. BQ Aquaris X29. BQ Aquaris X2
Ver en Amazon
  • Ambas as câmaras dão muito bons resultados.
  • O Android One está integrado, que é o mais puro Android que se pode usar.
  • O ecrã é nítido e brilhante.
  • O processador é mais do que adequado, mas dentro de alguns anos poderá sofrer com os jogos mais exigentes.
  • O sensor de impressões digitais poderia ser mais rápido.
  • O brilho automático por vezes demora um pouco mais do que o esperado para se ajustar.
8. Sony Xperia 108. Sony Xperia 10
Ver en Amazon
  • A qualidade de imagem.
  • Som impecável, tanto por Bluetooth como por cabo.
  • Funcionamento a partir do menu lateral.
  • A relação de aspecto 21:9 não está disponível para todo o conteúdo.
  • A bateria é um pouco apertada no uso pesado.
7. Xiaomi Redmi S27. Xiaomi Redmi S2
Ver en Amazon
  • Preço.
  • Câmara frontal e modo retrato.
  • Tomada de áudio de 3,5mm.
  • Dual SIM.
  • Resolução de ecrã baixa para o tamanho de ecrã grande (5.99″).
  • Sem USB-C.
  • Não é compatível com a Carga Rápida 2.0.
6. Samsung Galaxy S96. Samsung Galaxy S9
Ver en Amazon
  • Grande qualidade de imagem e som
  • Sensor de impressões digitais, scanner de íris e reconhecimento facial
  • Carregamento rápido sem fios
  • O preço, algures entre a gama média e a gama alta
  • A digitação preditiva do teclado pode ser melhorada
5. Huawei P20 Lite5. Huawei P20 Lite
Ver en Amazon
  • A câmara traseira permitir-lhe-á captar fotografias vibrantes e nítidas.
  • Excelente duração da bateria e carregamento rápido.
  • Extremamente leve.
  • O processador corre o risco de ficar desactualizado dentro de alguns anos.
  • Algumas aplicações não estão optimizadas para um ecrã 19:9.
4. Xiaomi Redmi Note 54. Xiaomi Redmi Note 5
Ver en Amazon
  • Câmara dupla de boa qualidade.
  • Bateria de 4000mAh superior na gama média.
  • O processador Snapdragon 636 é um grande salto em relação ao 625.
  • Desenho de sensação premium.
  • Porta jack de áudio de 3,5mm.
  • Sem porta USB-C.
  • Não tem NFC.
  • É compatível com o Quick Charge 2.0 mas não inclui este tipo de carregador.
3. iPhone 8 Plus3. iPhone 8 Plus
Ver en Amazon
  • Excelente câmara dupla.
  • Ecrã Full HD vibrante e nítido.
  • Poderosos altifalantes duplos.
  • Potência do processador para uma maior duração da bateria.
  • Desenho um pouco antiquado com arestas.
  • Peso elevado.
2. Honor 9 Lite N/D
  • Excelente ecrã 18:9.
  • Desenho premium.
  • Preço muito acessível.
  • O verso de vidro é escorregadio.
  • A câmara sofre em situações de fraca luminosidade.
1. Xiaomi Mi A21. Xiaomi Mi A2
Ver en Amazon
  • Especificações bastante elevadas para uma gama média.
  • Câmara traseira dupla e câmara frontal de 20Mp de boa qualidade.
  • 4K e vídeo Full HD com boa estabilização de imagem electrónica.
  • Ecrã FullHD+ com uma densidade óptima de píxeis de 403 ppp.
  • Dual SIM disponível.
  • Não tem uma entrada para a tomada de auscultadores.
  • Não dispõe de NFC para pagamentos móveis.
  • Não tem uma ranhura para microSD.

Guia de compras para utilizadores de telemóveis

Face à enorme gama de smartphones actualmente em oferta, preparámos um guia extenso e completo para que possa tomar a decisão mais informada antes de comprar qualquer dispositivo. Esperamos que o considere útil!

A. Livre ou por contrato?

Embora já há muito tempo que as companhias telefónicas já não oferecem telemóveis a 0 euros ou com um grande desconto em troca da aceitação de uma tarifa com um contrato de permanência, pode ainda ter dúvidas sobre se deve comprar um telemóvel gratuito ou com um contrato.

Actualmente, a principal vantagem de comprar um telemóvel com contrato é que a maioria das empresas permitem-lhe pagar em prestações*, 24 meses e normalmente sem juros, perfeito se não puder pagar em dinheiro.

Supostamente também pode encontrar telemóveis com desconto no seu preço normal, no entanto, é obrigado a inscrever-se para tarifas específicas e com permanência. São normalmente tarifas muito elevadas de que poderá não precisar e, portanto, o preço total que vai pagar, tendo em conta o preço do telemóvel e a taxa do contrato durante esses 24 meses, é superior ao que pagaria ao comprar o telemóvel gratuitamente com a tarifa que escolher.

Para saber qual é o preço «normal» de um telemóvel, recomendamos que verifique o preço noutras lojas, pelo menos na Amazon, que normalmente tem preços muito baixos.

Por outro lado, a principal desvantagem de comprar um telemóvel com um operador telefónico é que ficará vinculado à empresa e à mesma tarifa para esses 24 meses. E considerando que o mercado de telefones e tarifas móveis muda muito rapidamente, é bastante provável que acabe por pagar uma taxa mensal com menos características do que a concorrência, e a mesma ou mais cara.

Os telemóveis são desbloqueados em ambos os casos, os operadores são obrigados a desbloqueá-los, embora tenha de cumprir os contratos assinados.

A vantagem dos telemóveis desbloqueados é que temos a flexibilidade de alterar a companhia telefónica e as tarifas. Por conseguinte, apenas recomendamos que considere a compra de um smartphone com um contrato de permanência nos seguintes casos:

  • Tem um preço elevado, não tem esse tipo de dinheiro disponível e não quer ter de esperar, mesmo sabendo que o custo total do telefone mais as taxas para os meses de permanência vai ser mais elevado.
  • O telefone de que gosta está em oferta com um contrato com a mesma tarifa ou tarifa semelhante à que tem agora e não se importa de o manter por mais 24 meses.

*Movistar também lhe permite comprar telemóveis gratuitos a crédito, com uma taxa de juros de aproximadamente 10% APR.

B. Que sistema operativo?

Esta é uma das decisões que mais irá afectar o modelo de telemóvel que vai comprar e o seu custo.

Embora existam vários sistemas operativos, na realidade a sua escolha vai concentrar-se em dois: o Android e o iOS da Apple. Também existe o Windows, mas nem sequer chega a 1% de todos os telemóveis vendidos. É por isso que é melhor escolher entre Android e iOS. Ambos são muito simples e intuitivos de utilizar, e têm a mais ampla variedade de aplicações e jogos nas suas lojas.

A decisão é importante, porque se em algum momento decidir mudar o seu telemóvel para outro sistema operativo não poderá transferir as aplicações pagas que comprou: para continuar a utilizá-las terá de as comprar novamente.

Android

Android é o sistema operativo móvel criado pela Google, e permitir-lhe-á escolher entre muitas outras marcas, modelos e gama de preços, uma vez que é o sistema mais amplamente utilizado. Oferece uma maior personalização da interface, layout e widgets, e muitos dos serviços do Google, tais como Maps ou Gmail, já estão integrados por defeito.

Contudo, a menos que compre um telefone Google Pixel, cada vez que uma nova actualização do Android chega, pode levar vários meses para o receber no seu telefone.

Em suma, se não quiser gastar demasiado dinheiro num telefone, ou se for um utilizador regular dos serviços do Google, o Android é a sua melhor opção.

iOS

iOS é o sistema operativo exclusivo para o iPhone da Apple, pelo que terá de gastar mais dinheiro para o desfrutar.

Ao contrário do Android, mal lhe permite personalizar as funções ou a aparência da interface, mas em troca oferece uma das experiências mais fluidas e intuitivas em qualquer dispositivo móvel.

O ecossistema da Apple é notavelmente fácil de utilizar e permitir-lhe-á receber novas actualizações assim que estas se tornem disponíveis. É um ambiente muito fechado, mas em troca integra-se perfeitamente com o resto dos dispositivos da Apple, tais como Macs e iPads. Por esta razão, se for um utilizador regular da Apple, o iOS será a sua escolha por defeito.

C. Tamanho

A escolha do tamanho de ecrã de um smartphone é uma preferência bastante pessoal, uma vez que não existe um tamanho melhor ou óptimo. Basicamente, poderia classificar os telemóveis por 3 gamas de tamanho de acordo com as suas dimensões de ecrã medidas em polegadas:

  • Menos de 5″. Para aqueles que ainda preferem a conveniência e praticidade de um telefone que pode ser transportado em qualquer bolso. Nesta gama, o catálogo está a ficar cada vez mais pequeno.
  • Entre 5 e 6″. Telemóveis bastante grandes, uma moda que se tornou uma escolha comum devido ao facto de cada vez mais pessoas utilizarem este dispositivo para entretenimento, jogos, fotos, vídeos e até filmes.
  • Mais do que 6″. Nos últimos 3 anos, a tendência para os conceber maiores tem continuado e já existem bastantes modelos no mercado que excedem este número. Estão muito próximos dos modelos de comprimidos mais pequenos, cujo tamanho é de 7 polegadas, e é por isso que passaram a ser chamados «phablets».

É também necessário indicar que o tamanho total do telefone dependerá também da forma como tirar partido da sua frente, ou seja, do espaço ocupado pelos quadros e/ou botões do mesmo, mas como regra geral o tamanho do seu ecrã em polegadas é o melhor indicador para encontrar um telemóvel que se adapte ao que procura.

Em qualquer caso, se tiver dúvidas sobre o tamanho do seu telefone, recomendamos que opte por modelos com ecrãs de aproximadamente 5,5 polegadas, suficientemente grandes para desfrutar de qualquer conteúdo audiovisual, mas não tão grandes que não o possa transportar confortavelmente no bolso.

D. Concepção e peso

Desenhar um telemóvel não é tão simples como simplesmente decidir o seu tamanho e forma. O seu material, forma e peso determinarão quão confortável será a sua utilização e quão fácil será o seu manuseamento.

Como regra geral, um smartphone feito de metal será mais resistente do que um feito de plástico ou policarbonato. O vidro é o menos durável dos materiais disponíveis, mas é também normalmente o mais bonito e apelativo. Outra vantagem de ter um vidro de volta é que permite o carregamento sem fios, embora se deva certificar de que o telefone oferece carregamento sem fios.

Se a sua principal prioridade é o aspecto do seu telefone, vá para um de vidro. Mas lembrem-se que um de metal será sempre mais durável.

Os ecrãs são também delicados, razão pela qual os fabricantes adicionam uma camada extra de protecção por cima deles. O Gorilla Glass é o mais comum, e quanto maior o número no verso (Gorilla Glass 5, por exemplo), maior é a protecção.

A facilidade com que pode utilizar o seu telefone dependerá do tamanho das suas mãos, das suas dimensões e da relação de aspecto. Esta relação determina o comprimento e largura totais do ecrã de acordo com o seu tamanho. Até recentemente, a maioria dos telefones tinha uma relação de aspecto de 16:9, mas hoje em dia são 18:9 e 19:9, o que aumenta o comprimento do aparelho mas reduz a sua largura, tornando-o mais fácil de manusear.

Evidentemente, o peso também desempenha um papel. A maioria dos telefones modernos pesa entre 140 e 210 gramas, dependendo do tamanho do seu ecrã e da capacidade da bateria. Um telefone mais leve permitir-lhe-á segurá-lo confortavelmente durante períodos de tempo mais longos, o que é especialmente útil para a leitura por longos períodos de tempo, por exemplo.

Também é possível encontrar telemóveis com diferentes graus de protecção contra o pó e a água. A isto chama-se Ingress Protection, e actualmente pode encontrar dois:

  • IP67: é capaz de resistir à submersão até 1 metro durante 30 minutos.
  • IP68: é capaz de resistir à submersão até 2 metros durante 30 minutos.

E. Pantalla

Em relação à secção anterior, a qualidade do ecrã é um aspecto altamente valorizado pelos utilizadores quando compram um novo telemóvel, mas não olham exclusivamente para o seu tamanho, existem outras características que devem ser tidas em conta.

  • Resolução do ecrã. A resolução é o número de pixels e as suas medidas (largura x altura) que tem o ecrã do telemóvel na horizontal. E teoricamente, quanto maior for a resolução, maior será a qualidade, porque a imagem tem mais detalhe/afiqueza. Há resoluções padrão que certamente já ouviram em mais do que uma ocasião e são as seguintes, ordenadas do mais alto para o mais baixo: 4K (3840×2160), 2K/QHD (2560×1440), Full HD (1920×1080) e HD (1280×720). Contudo, não é nenhum padrão técnico que um ecrã de smartphone deva cumprir, por exemplo, o Iphone 8 utiliza uma resolução de 1334×750 pixels e o Samsung Galaxy S8 utiliza 2960×1440 pixels, valores diferentes dos padrões.
  • Densidade de pixels. Estes dados indicam o número de pixels por polegada do ecrã (PPP ou PPI), ou seja, depende tanto da sua resolução como do seu tamanho. Por exemplo, um telemóvel com um ecrã 6″ e resolução Full HD terá menos densidade de pixels do que um telemóvel 5″ com a mesma resolução Full HD. Como na característica anterior, teoricamente, quanto maior for a densidade de pixels, maior será a qualidade da imagem.
  • HDR. Esta tecnologia está relacionada com a fotografia HDR, com a qual tenho a certeza que está familiarizado. As imagens têm um alcance dinâmico maior, pode-se ver mais detalhes tanto nas sombras como nas partes mais iluminadas, assemelhando-se mais ao que o olho humano realmente vê. Mais realismo, em suma.

A teoria é toda boa e boa e não é mau conhecer as especificações técnicas dos telemóveis, mas o que acontece na prática? Que ecrã deve comprar?

A realidade é que o olho humano não é capaz de apreciar qualquer diferença em resoluções superiores a Full HD num ecrã tão pequeno como um telemóvel, e não é capaz de reconhecer mais do que entre 286 e 450 DPI (dependendo da boa saúde do olho). Portanto, a conclusão é que não vale a pena gastar mais dinheiro para comprar um smartphone com um ecrã de 4K ou uma densidade de pixels superior a 450. Estes números elevados nas especificações de um ecrã são apenas estratégias de marketing para justificar preços muito mais elevados em telefones de gama alta. Além disso, o consumo de bateria de um telemóvel é tanto maior quanto maior for a resolução do ecrã, cada pixel necessita de energia para se iluminar.

A única excepção é se quiser usar o telefone para a realidade virtual, neste caso deve comprar um aparelho com uma resolução de ecrã de 2K ou 4K, pois o telefone é colocado dentro de um óculo de realidade virtual muito próximo dos olhos e a distância muito curta permite apreciar estas resoluções.

Relativamente à tecnologia HDR ou aos novos ecrãs OLED, são mais típicos dos televisores e fabricantes como a Sony começam a incluí-los nos telemóveis por uma questão de marketing, não proporcionam realmente uma grande melhoria na experiência do utilizador, a menos que a sua prioridade seja ver filmes, séries ou documentários no seu telemóvel.

F. Processador e RAM

O processador é o cérebro do telemóvel. Quanto mais potente for, mais suave o telemóvel funcionará, mais rápido as aplicações se abrirão e menos pendurará.

Marcas de processadores

A maioria dos dispositivos Android incorpora um processador Qualcomm ou MediaTek. Como regra geral, a Qualcomm é mais poderosa e comum entre os modelos topo de gama, sendo o Qualcomm Snapdragon 845, o sucessor do excelente Snapdragon 835, o modelo mais avançado da actualidade.

O Snapdragon 600 encontra-se normalmente em smartphones de gama média, enquanto que os processadores MediaTek estão incluídos nos modelos mais baratos, e oferecem um bom equilíbrio entre potência e autonomia, embora sem muita fantasia.

Os telefones Samsung ou Huawei geralmente incorporam os seus próprios processadores Exynos ou Kirin, ambos de gama alta, enquanto a Apple também fabrica os seus próprios para o iPhone, sendo o mais recente o poderoso A12 Bionic.

Ter um processador poderoso é uma boa ideia se quiser prolongar a vida útil do seu telefone, pois aumenta as hipóteses de que ainda estará à altura da tarefa de lidar com novo software e aplicações dentro de alguns anos.

Núcleos e velocidade do relógio

O seu processador pode ter vários núcleos. Em geral, quanto mais núcleos, mais poderoso será o processador porque pode realizar mais operações simultâneas, embora muitas vezes não seja esse o caso. Muitos processadores só utilizam todos os seus núcleos quando necessário.

A velocidade do relógio é o número de operações que o processador pode realizar. Neste caso, quanto maior for a velocidade do relógio, mais rápido será o processador. Mas na prática, é melhor verificar o seu desempenho em testes como o Geekbench.

Se vai utilizar o seu telemóvel para jogar jogos de vídeo com elevadas exigências gráficas, é ideal que obtenha um dispositivo com o maior número de núcleos e velocidade de relógio.

Memória RAM

RAM (Random Access Memory) armazena temporariamente o que pretende recuperar rapidamente, e é o que permitirá ao seu telefone executar várias tarefas ao mesmo tempo, conhecidas como multitarefas.

Normalmente, as aplicações abertas são armazenadas na RAM, de modo que quando as fecha e reabre, podem ser exibidas no ecrã sem ter de ser carregadas novamente.

Em geral, quanto mais RAM, melhor. No entanto, no caso dos iPhones isto não é necessariamente o caso, uma vez que não requerem tanta RAM porque lidam com a memória de forma diferente.

  • Evite telefones com apenas 1GB de RAM; nos modelos de gama média 2GB é normalmente bom, e nos modelos de gama alta o padrão é entre 3GB e 8GB. Mas se quiser saber o quanto precisa, aqui está um guia:
  • 2GB RAM: ideal para utilizadores que utilizam o seu telefone principalmente para telefonar, verificar o correio ou enviar mensagens/Whatsapps. Não serão capazes de manter aplicações abertas durante muito tempo ou de executar jogos de vídeo exigentes.
  • 3 ou 4 GB de RAM: ideal para utilizadores que tiram muitas fotografias, vêem vídeos ou utilizam regularmente as redes sociais no seu telemóvel. A maioria dos jogos funcionará bem, e será capaz de manter múltiplas aplicações ou janelas do navegador abertas ao mesmo tempo.
  • 6 ou 8 GB de RAM: ideal para os utilizadores mais exigentes, aqueles que precisam da máxima velocidade e querem o mais alto desempenho. Estes telefones são capazes de lidar com os jogos de vídeo mais potentes e manter múltiplas aplicações abertas ao mesmo tempo.

G. Armazenamento

O armazenamento interno permitir-lhe-á armazenar fotografias, vídeos, música e aplicações no seu telefone, tornando-o uma das características mais valorizadas pelos utilizadores. É medida em GB (gigabytes).

Logicamente, quanto maior for a capacidade, melhor. Com o aumento da resolução da câmara, as fotografias e vídeos ocupam cada vez mais memória, e o mesmo se aplica a aplicações e jogos de vídeo.

Actualmente o mínimo desejável seria 32 GB, embora 64 GB seja recomendado se utilizar muito a câmara, e entre 128 GB e 256 GB se for gravar vídeos de 4K e descarregar muitos jogos.

Tenha em mente que terá menos capacidade do que a que está listada nas especificações. Isto porque o sistema operativo e algumas aplicações que já vêm pré-carregadas (bloatware) ocupam espaço, e por esta razão é ideal que o telefone seja vendido com o menor número possível de aplicações pré-instaladas.

Felizmente, hoje em dia os sistemas de armazenamento em nuvem, tais como Google Drive ou iCloud, ajudam a evitar ter de armazenar tudo no seu telefone, especialmente fotografias de alta resolução.

Tartão microSD

Além disso, muitos telefones Android (não tanto o iPhone) permitem-lhe expandir este armazenamento interno através de um cartão microSD externo, onde pode guardar fotografias e vídeos. Por esta razão, é uma possibilidade muito interessante se tirar a sua máquina fotográfica facilmente.

No entanto, nem todos os cartões microSD são compatíveis com telefones que os aceitam. Deve primeiro verificar qual é a capacidade máxima do cartão que o seu telefone suporta.

H. Câmara

A câmara de um telemóvel é geralmente um factor determinante na escolha de um modelo ou outro. Hoje em dia, é uma grande vantagem poder levar uma boa câmara no bolso sem ter de carregar o peso de outros tipos de câmaras como as digitais ou reflex, algo impensável há anos atrás.

As melhores câmaras podem ser encontradas nos telemóveis topo de gama, os mais caros, por isso a nossa primeira recomendação é que não se deixe levar por impulsos e acabe por comprar um modelo com uma super câmara que não precisa realmente e que não vai tirar partido de todo o seu potencial:

  • Megapixels. Mais megapixels não significam maior qualidade. Muitos telefones topo de gama têm «apenas» câmaras de 12Mp. A única vantagem de ter mais megapixels é que pode fazer zoom digital ou cortar as suas fotos mantendo simultaneamente mais detalhe e nitidez, por exemplo, se a câmara for de 24Mp pode cortá-la ao meio para melhor enquadrar a parte que lhe interessa e ainda ter a mesma resolução que uma foto de 12Mp teria.
  • Abertura do diafragma (valor f). Nas câmaras móveis este valor situa-se normalmente entre 1,7 e 2,8 e, sem dúvida, aqui podemos dizer que quanto maior a abertura (menor o número) melhor porque é capaz de captar mais luz, algo muito útil considerando que também utilizamos telemóveis para tirar fotografias dentro de casa com pouca luz ou mesmo à noite. Para lhe dar uma ideia, uma abertura f/2.0 capta exactamente o dobro da luz de um f/2.8. Também afecta a profundidade do campo mas de uma forma mais subtil nas lentes móveis angulares, pelo que não vale a pena ir a este aspecto em profundidade de campo.
  • Tamanho do sensor e pixels. A maioria dos utilizadores não sabe que quanto maior o sensor melhor é o seu desempenho. Porque é que a câmara de um telemóvel topo de gama como o Samsung Galaxy S8 é superior à de um top de vendas como o Xiaomi Mi A1? Bem, principalmente porque o seu sensor tem um tamanho de 0,39 polegadas em comparação com os 0,25 do Xiaomi, 56% maior. Normalmente os fabricantes indicam apenas o tamanho dos pixels, medidos em micrómetros (µm), porque quanto maiores forem, mais luz são capazes de capturar, mas o tamanho total do sensor também é importante.

Tanto a abertura da lente como o tamanho do sensor também afectam a profundidade do campo, mas de uma forma muito subtil porque as lentes móveis são muito angulares, pelo que não vale a pena entrar neste aspecto.

Valorizando as 3 características acima mencionadas já tem informação suficiente para escolher um smartphone com uma boa câmara, no entanto, pode ir ainda mais fundo e vamos dar-lhe algumas recomendações extra, dependendo das suas preferências:

  • Selfies. Para este fim, o número de megapixéis é importante porque as câmaras frontais padrão têm normalmente apenas 5Mp, uma resolução que fica aquém do desejado se se quiser obter selos de boa qualidade. Neste caso, deve também prestar atenção à abertura, pois para além de captar mais luz terá um borrão natural mais pronunciado no fundo.
  • Retratos. Se gosta de tirar retratos dos seus amigos, família, animais de estimação, etc. o ideal é comprar um telemóvel com câmara traseira dupla, ou seja, 2 câmaras na parte de trás. Estes trabalhando em conjunto com o software do dispositivo conseguem fazer retratos com um belo borrão ou «bokeh», semelhante ao conseguido com as câmaras profissionais, embora ser digital pode por vezes falhar em algumas partes da imagem.
  • Paisagens. Se gosta de sair na natureza, ir à luz e tirar fotografias com o seu telemóvel, uma coisa que deve ter em conta é a distância focal da lente (mm). Quanto menor for, maior é o ângulo que a câmara pode capturar, ou seja, maior é a paisagem que poderá retratar. Normalmente as distâncias focais são entre 20 e 28mm, excepto algumas secundárias em câmaras duplas que são telefoto (50mm), para zoom x2 aproximadamente. Também recomendamos que tenha o modo HDR para obter cores mais vivas e mais detalhes nos céus nas suas fotografias.
  • Vídeo. Se também gosta de fazer vídeos de boa qualidade, outra característica que tem de ter em conta é a estabilização da imagem, para minimizar as vibrações ao gravar com o telefone nas mãos. E muito melhor se for óptica porque é feita por um mecanismo físico instalado na câmara, enquanto que a electrónica é obtida digitalmente e é menos precisa. O facto de ter uma resolução de 4K não é muito importante porque dificilmente se nota a diferença no ecrã de um telemóvel, mas é preciso ter em conta a taxa de imagens por segundo (fps) em que é capaz de gravar para fazer câmara lenta x2 (60fps), x4 (120fps) ou mesmo mais.

Deve acrescentar-se que as câmaras duplas oferecem muitas vezes outras vantagens para além do modo retrato, ao terem uma segunda lente na parte de trás com características diferentes.

Por exemplo, dependendo do modelo de smartphone com câmara dupla, pode ampliar x2 opticamente sem perda de nitidez com uma lente telefoto (Xiaomi Mi A2), tirar fotografias com uma lente grande angular perfeita para paisagens e arquitectura (LG G6) ou mesmo captar imagens muito artísticas a preto e branco com um sensor monocromático (Huawei P20). Embora na prática a câmara traseira principal seja quase sempre utilizada e a câmara secundária seja apenas utilizada para retratos.

Relativamente aos vários modos, funções e filtros oferecidos pelo software da câmara de cada móvel, não entramos em detalhes porque são muito semelhantes para todas as marcas, que se copiam umas às outras quando alguma característica se torna moda, tais como o efeito HDR, fotos panorâmicas, modo de beleza para rostos, etc. E é por isso que não o consideramos um factor de compra decisivo.

I. Autonomia

A autonomia de um móvel é determinada, antes de mais, pela capacidade da sua bateria, que é medida em mAh. Quanto mais mAh, mais horas pode usar o seu telefone sem o recarregar.

Contudo, a duração da bateria também dependerá do processador e do tipo e resolução do ecrã. Dois telefones com a mesma capacidade de bateria podem ter uma duração de bateria muito diferente, dependendo destes factores. Em geral, qualquer telefone que dure mais de 10 horas de navegação contínua na Internet em 4G LTE é considerado como tendo uma excelente duração da bateria.

A maioria das baterias actuais não são substituíveis (a menos que sejam feitas por um técnico de serviço qualificado), uma vez que são frequentemente incompatíveis com a protecção da água. Por esta razão, recomendamos a obtenção de um telefone com uma capacidade de pelo menos 2.500 mAh – embora, mais uma vez, a duração da bateria dependa de outros factores.

Carregamento rápido

O carregamento rápido permitir-lhe-á recarregar a bateria do seu telefone em menos tempo do que o habitual. Geralmente, permite passar de 0 a 50% de bateria em menos de 30 minutos.

Alguns telefones que suportam carregamento rápido requerem um carregador especial. Em alguns casos está incluído na caixa, mas noutros, como os iPhones, terá de o comprar separadamente.

Dica: Não ligue o seu telefone durante a noite para o carregar, pois isto irá reduzir gradualmente o desempenho da bateria. Em vez disso, cobra-o durante algumas horas de trabalho.

Carregamento sem fios

Os telefones mais recentes e topo de gama permitem carregá-los sem a necessidade de os ligar a um carregador tradicional. Basta colocá-los em cima da almofada de carregamento sem fios e começam a recarregar.

Isto poupa-lhe cabos e os típicos acidentes em que o telefone se desliga quando se puxa o cabo de uma forma descuidada.

Contudo, esta tecnologia é ainda bastante nova e os telefones tendem a carregar mais lentamente do que com o sistema tradicional com fios, por isso só faz sentido investir num modelo como este se tiver algumas horas disponíveis para deixar o seu telefone no tapete.

J. Outros

Aqui estão algumas outras características que poderá achar interessantes ao decidir qual o telemóvel a comprar:

  • Impermeabilização. Um bom seguro contra acidentes é que o telemóvel tem resistência à água, uma vez que é comum deixá-los cair no chão ou derramar algum líquido sobre eles quando se os deixa sobre a mesa quando se come. É por isso que se deve saber que existe uma classificação de acordo com a sua resistência. Os mais altos para estes dispositivos são normalmente IP67 e IP68, onde o primeiro número indica protecção contra a poeira e o segundo número indica protecção contra a água. Nestes casos, o grau 6 contra o pó garante uma resistência total, enquanto os graus 7 e 8 contra a água garantem que os telemóveis podem ser submersos a 1 metro ou mais e suportar um período de tempo contínuo sem sofrer danos, o que não significa que sejam adequados para operações subaquáticas, como por exemplo uma câmara aquática.
  • Desbloqueio facial ou por toque. É uma característica que tem os modelos mais avançados e faz com que possam ser desbloqueados apenas ao olhar para o ecrã ou ao colocar qualquer dedo sobre ele para reconhecer a impressão digital. Isto facilita o desbloqueio do telefone e dá alguma segurança e privacidade extra em comparação com o código numérico clássico que pode ser copiado ou descoberto.
  • Dual SIM. A funcionalidade dual SIM permite-lhe colocar dois cartões SIM diferentes no seu smartphone. Quais são as vantagens? A principal é que pode transportar duas linhas telefónicas ao mesmo tempo, pessoais e profissionais, por exemplo, ou adicionar um novo SIM do país em que se encontra se estiver a viajar para poder ter Internet onde quer que esteja sem ter de desligar a sua linha. Poderá também comprar um cartão sem contrato e com dados adicionais aos já oferecidos pelo seu operador, caso não sejam suficientes para o seu consumo habitual.
4.7/5 - (21 votos)